Um poema de Maria Teresa Horta

Maria Teresa Horta, Maria Isabel BarrenoMaria Velho da Costa, conhecidas pelas Três Marias, autoras da obra Novas Cartas Portuguesas (1972), de teor feminista e de denuncia da repressão social, politica e colonialista, durante a ditadura em Portugal, que lhes valeu um processo em tribunal, tendo sido somente absolvidas após o 25 de Abril de 1974.

Capa com as escritoras portuguesas Maria Teresa Horta, Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa
Capa com as escritoras portuguesas Maria Teresa Horta, Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa que ficaram conhecidas por “As três Marias”. São autoras do livro “Novas Cartas Portuguesas”, sobre a condição da mulher no Estado Novo, publicado durante a ditadura em Portugal e que foi proibido pela censura. Em Flama : revista semanal de actualidades, n.º 1367, Ano XXXI, 17 de Maio de 1974. hemerotecadigital.cmlisboa.pt/Periodicos/Flama/Flama.htm, flickr.com
Anjos da memória – V
Os anjos alados
da memória

com as suas asas
de pérgula
e medronho

a voarem noite dentro,
pelo sonho

Serás de branco
despojada de tudo
à cabeceira

por detrás do meu ombro
anjo mudo

Serás de branco
despojada de tudo,

asas supostas
de ti
à minha beira

O pássaro cintilante
da tua nudez
(uma matriz calada)

Da tua nudez

Com os teus seios
de anjo
sob as asas

A tomares conta
da memória

És um passaro – digo
És um pássaro

com penas
cintilantes
dos teus olhos

As tuas asas
de pétalas

tecidas com a luz
das penas
das asas que te crescem

Poisar um pouco
nos parapeitos
da memória

antes de recomeçar
o voo
de regresso a casa

Com as nossas asas
lúcidas:
translúcidas e pálidas

Deixa-me voar
por cima do teu
colo

até ir poisar
na tua alma

É a memória,
dos teus dedos pisados
nas asas dos meus ombros

Entrelaçados
Enlaçados

Como entranças
os sonhos

As tuas asas de prata
que atravessam a voar
o território
brando
das minhas lágrimas

Este

é o inconsciente
dos teus olhos
de águas postas – de águas sobrepostas

– rente

à meiga – à mansíssima
racha
do teu ventre

Em voo raso
perto da sua boca:

A ouvir a memória...

Há um ruido de
asas
que te é próximo

um odor a flor,
a framboeza

um sabor a leite
e a morango
numa uterina luz de penumbra acesa

Um pouco acima
dos teus olhos,
como um pássaro

a voar por dentro,
bem por dentro
do interior dos lábios...

do corpo

A parte que é
anjo
do teu corpo

e me procura a meio
da madrugada

Sobrevoando o lago
que é suposto
ser no meu sono
aquilo que calava

A parte que é
anjo
do teu corpo

e me visita
a meio da madrugada

descansando as asas
dos teus ombros,
a meu lado:
em cima da almofada

Voava,
com a memória
das asas

no sentido inverso
do silêncio

e do sono

Oiço atrás de mim,
o breve respirar
das tuas asas

– quase impercetível –

Um ligeiro arfar
Como a brisa a passar
por entre as casas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s