O Terramoto de 1755, óleo sobre tela de c. 1756-1792, de João Glama no MNAA

Agenda Cultural – “Quake” e a questão salarial

O Terramoto de 1755, a emigração e os salários baixos Provavelmente será o Terramoto de 1755 de Lisboa, que se propagou também para o Sul do país, ilhas da Madeira e Açores e Norte de África, registando-se cerca de 90 mil mortos só em Lisboa, a maior catástrofe social, política, económica, mental e filosófica de todo os tempos e com a maior certeza, a causa … Continue a ler Agenda Cultural – “Quake” e a questão salarial

Memorial, Campo de Concentração Nazi, bernswaelz em Pixabay.com

Uma Vida de mar – 7

Continuação da publicação de excertos da epopeia marítima, do meu amigo, Comandante da Marinha Mercante, Jorge Manuel Correia Tomé. A sua atividade estendeu-se desde os anos 40 aos anos 80, do século passado. UM CHEFE DE MÁQUINAS RUSSO, QUE CONHCI EM 1955 Estando no navio COPSTAR, em 1955, conheci um russo, que era então chefe de máquinas desse navio, arvorando bandeira da Costa Rica, que … Continue a ler Uma Vida de mar – 7

Gueto de Varsóvia, 2ª Guerra Mundial

200 crianças mortas. Ouvindo Pink Floyd

200 crianças 200 crianças, disseram eles. Nem que fosse uma só criança. É como espezinhar um ninho no caminho e não olhar para trás. Como as vendetas que até o cão e o gato matam. A exterminação impiedosa, a carnificina sem critério, sem humanidade alguma. “A morte saiu à rua” “A las cinco de la tarde.” Mataram, queimaram, destruíram, mas não mataram a semente de … Continue a ler 200 crianças mortas. Ouvindo Pink Floyd

Paquete Serpa Pinto, Portugal, 1915, John Oxley Library, State Library of Queensland. commons.wikimedia.org

Uma Vida de mar – 6

Continuação da publicação de excertos da epopeia marítima, do meu amigo, Comandante da Marinha Mercante, Jorge Manuel Correia Tomé. A sua atividade estendeu-se desde os anos 40 aos anos 80, do século passado. Ressalvo: As descrições, citam certos termos de uma realidade vivida durante uma determinada época, nos anos 40, não pretendendo o autor identificar-se com as instituições e a nomenclatura em vigor. DOIS ACIDENTES … Continue a ler Uma Vida de mar – 6

Vídeo de ucraniano_recitando_poema_em_meio_da_guerra

Amor em tempos de cólera

Não é o Romance  «O Amor nos Tempos de Cólera» de Gabriel García Márquez. É o Amor nos Tempos da Cólera, leia-se, da Guerra. E, parafraseando, Glória à Ucrânia! ESPERA-ME, poema de Konstantin Simonov (1915-1979), poeta, escritor e dramaturgo russo Espera-me. Até quando, não sei. Um dia, voltarei. Espera-me pelas manhãs vazias, nas tardes longas e nas noites frias, e, outra vez, quando o calor voltar. Ai, nunca … Continue a ler Amor em tempos de cólera

Bandeira da Ucrânia

Esta Guerra que nos convoca

É guerra, sim. Uma guerra cruel, assassina, sem regras nem quaisquer princípios de humanidade. É uma guerra total. Que nos afecta a todos. Que nos convoca a todos. Que pode durar anos. Uma guerra absurda, como todas as guerras. Que é connosco, que diz respeito a todos. Que nos envolve e ameaça, mas que também nos torna mais humanos e solidários. Assim como a contrainformação, … Continue a ler Esta Guerra que nos convoca

Foto da Bomba de Hiroshima

A Bomba de Hiroshima

A ROSA DE HIROXIMA Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas oh não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroxima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A antirrosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada. – Vinicius de … Continue a ler A Bomba de Hiroshima

A Guerra iminente

Os países estão enfraquecidos pela pandemia e pela crise do petróleo. A despesa com a defesa, na maior parte dos países democráticos é baixa, pois outras prioridades se sobrepõem. Estávamos todos, ou quase todos convencidos que uma 3ª guerra mundial seria impossível. Seria uma guerra sem vencidos nem vencedores. A autodestruição massiva. Antes da 2ª Guerra Mundial ninguém acreditava. As fábricas de armamento estão efusivas. … Continue a ler A Guerra iminente

Mapa da Segunda Guerra Mundial na Europa (1939-1941)

Uma Vida de Mar – 3

A PERDA DOS NAVIOS MERCANTES PORTUGUESES, DURANTE O CONFLITO MUNDIAL DE 1939 – 1945 Clicar na Galeria para ver descrição Dezoito navios de comercio e de pesca, sofreram sinistros de guerra, sendo as perdas totais computadas em doze navios, com perdas de 126 vidas, durante os setenta e dois meses, que durou o conflito. O navio Alpha, foi o primeiro a ser afundado, logo no … Continue a ler Uma Vida de Mar – 3

Bairro de lata. Portugal, Biblioteca de Arte / Art Library Fundação Calouste Gulbenkian, Mário Novais, (anos 60 ?) flickr.com

Despejos, Bairros de Lata & Especulação

Vemos, ouvimos e lemos, como dizia a Sophia de Mello Breyner, não podemos ignorar Vemos Os nossos vizinhos, amigos, familiares, serem despejados à força. Eu vi, pelo menos uma família, em que atiraram as coisas de qualquer maneira para dentro do camião, sem o mínimo cuidado, e no caso de um rapaz, despejaram todos os seus haveres, livros, discos, roupa, todo o recheio, menos móveis, … Continue a ler Despejos, Bairros de Lata & Especulação

Manifestação em Madrid pelos direitos das pessoas migrantes

Já pensou? _ Migração e Xenofobia

A Polónia aprovou uma alteração à lei nacional sobre os estrangeiros que legaliza a expulsão nas suas fronteiras e permite ignorar um pedido de asilo feito após uma travessia ilegal. O parlamento também deu luz verde ao projeto governamental de construir um muro para impedir os migrantes de atravessarem a fronteira, um projeto estimado em 353 milhões de euros. Euronews.com A ciência poderá ter encontrado a cura para a maioria dos males, mas … Continue a ler Já pensou? _ Migração e Xenofobia

Pipi das meias altas e casa

Os Amigos A Escola e a Pide

Estava proibida de conviver com ela. Parecia um rapaz, vestia-se como um rapaz, guiava um carro, sendo menor. E tinha chofer e tudo! Parecia mal, andar com ela, o que haveriam de dizer, um ser assim tão discordante, bizarro. Era um casarão, com um grande quintal, que se misturavam, como um só; as galinhas, os cães, gatos e outros bichos, circulavam livremente por todo o … Continue a ler Os Amigos A Escola e a Pide